SIC

Perfil

Às segundas

Transfobia

  • E Se Fosse Consigo? - O Debate

    Transfobia

    Sete jovens transexuais falam sobre o que é nascer num corpo que sentem não pertencer ao género com que se identificam. Todos estão em processo de transição de masculino para feminino ou de feminino para masculino. Falam das dificuldades que tiveram com eles próprios por terem nascido transgénero e das dificuldades com a família e com os outros. Acreditam que a falta de informação leva muitas vezes ao preconceito, à incompreensão e à discriminação, que estão na origem de muito do sofrimento por que passam. A jornalista Conceição Lino conduz o debate, feito a propósito do programa E SE FOSSE CONSIGO? sobre transfobia.

  • Letícia sente-se uma mulher como todas as outras

    Transfobia

    Não admite a ninguém que diga o contrário. Conseguiu sê-lo mais tarde. Sofreu pelo caminho, pediu ajuda, teve de encontrar força para continuar. Ao fim de oito anos de espera fez a cirurgia genital que "lhe mudou a vida" e a "fez renascer". Finalmente sentiu que estava acabada, sente-se uma mulher completa.

  • Chamaram-lhe Maria Rapaz, lésbica, afastaram-se dele

    Transfobia

    As gémeas não tinham as mesmas brincadeiras mas a diferença não as separou. Enquanto ele esfolava os joelhos atrás da bola, ela brincava aos cabeleireiros. Foi sempre assim. Andreo Gustavo só pelos 10 anos teve a percepção de que algo não batia certo. Na adolescência tentou adaptar-se. Teve de fingir quem não era, ter brincadeiras que não queria, inventar namorados. Mas não evitou a estranheza. Chamaram-lhe Maria Rapaz, lésbica, afastaram-se dele. Aos 18 anos, isolou-se e chegou a pensar no suicídio. Pediu ajuda e decidiu. Avançou com o processo de mudança de género. Da irmã gémea Ana Rita teve sempre apoio.

  • "Cada um de nós é que sabe aquilo que é, o que sente"

    Transfobia

    Como é que se pode obrigar alguém transexual a ser o que não sente que é, a provar quem é? Os outros têm de provar que são homens ou mulheres? Zélia Figueiredo deixa a interrogação. Para a psiquiatra, a transexualidade não é uma doença mental. Quem chega à sua consulta são pessoas que precisam de apoio. Pessoas que numa sociedade dividida entre homens e mulheres não têm espaço nem compreensão para o que estão a passar.

  • Cirurgião português que faz cirurgias de mudança de sexo é reconhecido internacionalmente

    Transfobia

    João Décio Ferreira, cirurgião plástico, considera que quando se muda o corpo a uma pessoa é preciso fazê-lo com respeito e com dignidade. Com uma carreira de mais de 40 anos, o médico fez cirurgias de mudança de sexo de masculino para feminino e de feminino para masculino a centenas de pessoas. A técnica cirúrgica que desenvolveu mereceu reconhecimento internacional. Em 2016, foi distinguido pela Sociedade Alemã de Sexologia Clínica pelo trabalho na área da mudança de sexo. A distinção que recebeu em Munique premeia o "trabalho de uma vida" do médico português devido à sua contribuição "quer a nível de investigação, quer a nível de ensino".

  • Não sabia bem o que era, mas não era igual aos outros rapazes. A história de Alexandra Machado

    Transfobia

    Só se sentia verdadeiramente feliz quando brincava com as bonecas da prima. As Barbies e os Nenucos faziam-na esquecer que vivia num corpo que sentia que não era o dela. Foi contrariada. Diz que nunca ninguém a compreendia. Não sabia bem o que era, mas não era igual aos outros rapazes. Sofreu na pele a discriminação, o insulto, a violência, foi agredida, apedrejada. Começou recentemente o processo de transição. "A minha viagem começou agora", diz.

  • Gustavo começou a rejeitar o corpo com que nasceu aos 3 anos

    Transfobia

    Tinha apenas 3 anos quando pela primeira vez manifestou rejeição pelo corpo com que nasceu. Sempre se sentiu diferente, mas não entendia porquê e chegou a pensar que não era normal. "Vivia num abismo". Gustavo lembra-se da incerteza dos médicos, da vergonha que passou quando lhes pediu ajuda. Não desistiu. Descobriu outros que, como ele, já tinham tido as mesmas dúvidas e foi encontrando respostas. Hoje, a avó até lhe diz "ó moço, faz a barba".

  • "Era uma mulher. E era bonita"

    Transfobia

    Alguém transexual tem disforia de género. Nasceu num corpo que não sente como o seu. Até que ponto os outros aceitam ou entendem? Fizemos a experiência. Uma mulher ofende e insulta uma mulher transexual à frente de todos. Quem trava o preconceito? E Se Fosse Consigo?

nas redes

pesquisar