SIC

Perfil

A Ruína - Episódio 3: Gato Escaldado

A Ruína - Episódio 3: Gato Escaldado

No terceiro episódio da Grande Reportagem "A Ruína", acompanhamos a relação comercial que o Novo Banco tem mantido com os clientes emigrantes, lesados do BES. O banco, entretanto vendido aos americanos da Lonestar, apresentou um último acordo a estes clientes em pleno mês de agosto. A maioria assinou, mas desconfia. Mas nesta longa família de emigrantes lesados uns são filhos, outros enteados.

"A Ruína", emitida em três episódios, detalha a forma como o banco de Ricardo Salgado conseguiu convencer oito mil emigrantes a comprarem 723 milhões de euros de ações preferenciais de veículos financeiros esculpidos pelo BES (Episódio 1 – "O Conto do Vigário").

A dar fortes sinais de contaminação pelo peso da dívida das empresas do grupo Espírito Santo desde 2009, o banco viu-se forçado a encontrar formas rápidas de gerar liquidez. Entre 2012 e 2014, os emigrantes, financeiramente iletrados, foram o alvo. E o BES vendeu-lhes títulos de dívida do banco e das empresas falidas do grupo que só poderiam ser transformados em dinheiro em 2047 - 2051. Que esquema inventou o BES para convencer estes oito mil emigrantes a investirem no risco e no incerto?

Na Justiça, este grupo de lesados tem saído de mãos a abanar (Episódio 2 - "Justiça Cega"). Os juízes do Tribunal Central Cível de Lisboa entendem que este grupo de lesados não tem direito a recuperar o dinheiro investido porque o Banco de Portugal transferiu o dinheiro dessas poupanças para o BES. De um lado estão as deliberações do Banco de Portugal, do outro os direitos constitucionalmente garantidos. No país inteiro, apenas um juiz deu razão a estes lesados. O segundo episódio da série avalia ainda a possibilidade de a marca Novo Banco pura e simplesmente desaparecer; o que, desde logo, abriria a porta ao regresso do BES.

No episódio três ("Gato Escaldado"), o alvo é o Novo Banco. 80 por cento dos emigrantes lesados assinaram o único acordo que, no espaço de três anos, o banco que saiu dos destroços do BES lhes propôs. Um acordo que transferia para 2051 a recuperação das poupanças de uma vida. A maioria destes lesados são emigrantes de primeira e segunda geração, com mais de 60 anos. Em 2051, boa parte já teria ultrapassado o seu próprio prazo de validade. O Novo Banco ensaia agora uma nova proposta; mas, gato escaldado…

"Saco Azul", a quarta Grande Reportagem associada ao universo BES, dá um passo em direção ao mundo Espírito Santo Enterprises, a entidade que Ricardo Salgado terá usado para tentar administradores e diretores do GES e do BES, empresários e políticos. Através da história de Francisco Fonseca, um empresário do Porto, aproximamo-nos daquela que pode ter sido a forma usada para financiar um saco sem fundo que terá alimentado o poder e a influência de uma marca que não sobreviveu, depois de 145 anos de história.

nas redes

pesquisar