SIC

Perfil

De segunda a sexta

82º Episódio - 12 de agosto (sexta-feira)

Samuel tenta perceber junto de Piedade se é ela a amante de Fialho; Rosa tem mais uma memória do pai

*OS RESUMOS DOS EPISÓDIOS ESTÃO SUJEITOS A MUDANÇAS EM FUNÇÃO DA EDIÇÃO DA NOVELA.

Nuno está excitado com a ida para a colónia de férias e pressiona Marcelo para que se despache, receando perder o autocarro. O pai tranquiliza-o e garante que isso não vai acontecer.

Rute desafia Fialho para ir consigo ao ginásio mas ele desculpa-se com as consultas que tem de dar, dizendo que não pode desmarcar os seus compromissos. Depois de a mulher sair de casa, Fialho fica absorto nos seus pensamentos, dividido entre a mulher e a amante.

Samuel e Rui comentam em surdina a possibilidade de Piedade ser amante de Fialho e ficam ainda mais angustiados quando encaram a hipótese de Tiago ser filho de ambos. Rute aparece para fazer a sua aula de Yoga e Beatriz, ao saber que Fialho não a acompanhou, comenta que ele tem mais pacientes agora do que quando se reformou.

A sós com Rui, Beatriz conta que das três mulheres de quem suspeitava, só duas podem ser amantes de Fialho e mostra-se determinada para descobrir qual. Rui não esconde a sua perplexidade e pede-lhe que fale com ele antes de tomar alguma decisão impulsiva sobre o assunto. Ela assegura que sabe ser discreta e que está quase a descobrir a verdade.

Samuel sonda Piedade para perceber se existe alguma hipótese de ela ter um caso com Fialho e pergunta-lhe onde é que ela comeu a maravilhosa encharcada de ovos no Alentejo. O padre constata que se trata do mesmo local de que Fialho lhe falou durante o jantar da noite anterior. Tiago participa na conversa e pede a Samuel que o ajude a convencer a mãe a tirar uns dias e a ir a qualquer lado para descansar. Ela mostra-se pouco recetiva à ideia.

Rosa e Marcelo ficam muito constrangidos quando se encontram para levarem Júlia e Nuno ao autocarro em que vão para a colónia de férias. Sofia aproveita para dizer ao médico que não gostou que ele tivesse falado com o pai, contando-lhe que a sua gravidez é de risco.

Rosa acerta com Joana e Lia os pormenores para o concerto que estão a organizar no café da Floriz e pensam em organizar um evento de poesia.

Sofia conversa com Marisa e assume que sempre sonhou casar mas confessa a sua irritação por Narcisa andar a pressioná-la para o fazer. Marisa acha que ela não deve desistir do seu sonho só para contrariar a mãe do namorado.

Daniel desabafa com Tomás e confessa a sua angústia por não conseguir livrar-se de Narcisa. Entretanto, Mara aparece na oficina e Daniel aproveita para lhe mostrar os esboços da peça que está a criar para a Mostra de design que ela está a organizar.

Gabriela e Hugo estão quase sem plantas para fazerem os produtos de beleza e começam a ficar muito preocupados por não terem ainda conseguido arranjar um terreno que lhes permita cultivar em maior quantidade.

Narcisa assume que não vai insistir mais no casamento de Sofia e Bruno, agastada por todos estarem contra a sua opinião. Rosa faz-lhe ver que a decisão de casar pertence unicamente aos jovens e lembra à irmã que o filho vai precisar muito do seu apoio quando o bebé nascer. Narcisa acha que o filho não liga nada ao que ela diz e mostra-se insensível à opinião de Rosa. Paula interrompe a conversa e apresenta uma lista de arquitectos que podem vir a trabalhar na Floriz. Como quem não quer a coisa, leva Rosa a considerar a possibilidade de contratar César, trocando olhares cúmplices com Narcisa, que ajuda a convencer Rosa a fazer uma entrevista ao irmão de Marcelo.

Paula envia uma mensagem a César a convocá-lo para uma reunião com Rosa na Floriz e ele fica radiante, partilhando com Fialho que o seu regresso à arquitectura está para muito breve. O pai fica também entusiasmado com a boa notícia.

Marcelo conversa com Neves e dá-lhe conta da sua angústia pela possibilidade de que Rosa venha a recuperar a memória e o amor pelo marido.

Rosa sente o odor de uma cigarrilha que um homem acende e tem mais uma memória do pai, morto e caído sobre um tapete da casa onde moravam. Muito perturbada, entra no seu gabinete e conta a Narcisa a recordação que acaba de ter. A irmã fica muito tensa, receando que ela recupere a memória.

Rosa fica muito angustiada com a recordação do pai, morto na casa de Dornes com uma cigarrilha que ardia ao seu lado e procura lembrar-se de forma mais clara da forma como ele faleceu. As interrogações são muitas, à medida em que visualiza as fotografias antigas e os objectos que tem guardados. Narcisa disfarça o receio que tem de que a irmã recupere a memória e tenta por todos os meios convencê-la a esquecer o passado. Cármen, muito preocupada, vai telefonar a Daniel para o pôr ao corrente da crise emocional que Rosa está a viver. Rosa acaba por chorar nos braços de Narcisa, desesperada por não conseguir recordar-se da forma como o pai morreu.

Narcisa telefona a César e diz-lhe que tem de fazer tudo por tudo para agradar a Rosa e ficar com o trabalho na Floriz. O arquitecto estranha a ansiedade que ela demonstra e Narcisa mente, justificando que está farta das discussões entre Daniel e Rosa, reafirmando que é importante que a irmã fique com Marcelo, o homem que verdadeiramente ama. César promete ajudá-la a separar Rosa do marido e a juntá-la com o irmão dele.

Daniel conforta Rosa e ela mostra-se determinada em descobrir em que circunstâncias o pai morreu e se apenas ela ou mais alguém estavam ao pé dele quando isso aconteceu.

Sofia comenta com Bruno a angústia que Rosa está a viver e o drama do pai que tem de conviver com a sua falta de memória. Depois, mostra ao namorado as roupas que já comprou para o bebé, ficando ambos a admirá-las e a conversarem animados sobre o sexo da criança.

nas redes

pesquisar