SIC

Perfil

De domingo a sexta

Liberdade, Liberdade - Sinopse

Estreia dia 5 na SIC!

O calor na pele é quase insuportável. O suor externa o que o corpo já não consegue aguentar. Homens e mulheres negros carregam peso, carregam pessoas, carregam as suas almas vendidas aos brancos. Pó, marcas do tempo, manchas e cicatrizes maculam tudo e todos. Os olhos acostumados ao luxo dourado da Coroa portuguesa, em Lisboa, deparam-se com uma realidade há muito esquecida por ela. As lembranças dos últimos dias no Brasil, ainda criança, trazem a dura imagem do enforcamento do pai. Um sonhador, um herói. Não para os outros, mas para ela.

“Rosa”, alguém a chama. É Raposo (Dalton Vigh), o homem que a salvou do infortúnio. A volta ao Brasil, vinte anos depois, traz à tona todo o passado e o nome que carrega escondido: Joaquina (Andreia Horta). A filha de Joaquim José da Silva Xavier (Thiago Lacerda) e Antônia (Letícia Sabatella). A mulher que carrega no sangue a luta pela revolução de um país. A mulher que carrega a coragem para revolucionar a si mesma.

“Essa é a história de uma mulher que vive nesse período conturbado do país, em que o Brasil deixa de ser colónia e passa a ser a capital da Coroa portuguesa. É um período de revolução, do movimento da Inconfidência Mineira e de outros movimentos que desembocaram na Independência do Brasil”, define o autor Mario Teixeira. “O que mais me interessa em contar a história de Joaquina é a emoção que às vezes me assalta lendo o texto. É o Brasil, o amor que temos por essa terra”, pontua Vinícius Coimbra, diretor artístico da novela.

Com estreia no dia 5 de setembro, Liberdade, Liberdade é uma novela de Mario Teixeira baseada no argumento de Marcia Prates, livremente inspirada no livro "Joaquina, Filha do Tiradentes", de Maria José de Queiroz. O texto tem a colaboração de Sérgio Marques e Tarcísio Lara Puiati. A direção artística é de Vinicius Coimbra.

Vila Rica, capitania de Minas Gerais, Brasil, 1792

Nas veias de Joaquina (Mel Maia) corre o mesmo sangue de Tiradentes (Thiago Lacerda), o mártir da Inconfidência Mineira. Em 1792, Tiradentes é considerado um traidor da Coroa portuguesa. Como filha, Joaquina carrega o peso de ser descendente de um homem que será condenado à forca. Mas também leva consigo o olhar sonhador e a admiração pelo pai que, para ela, é um herói.

A menina cresce numa casa simples. Uma mãe amável e rígida ensina que a vida é difícil, os pés precisam estar no chão e as mãos na terra. Sonhar é um luxo para poucos. Antônia (Leticia Sabatella) aprende com o Alferes Tiradentes (Thiago Lacerda), pai de Joaquina, como arrancar os dentes das pessoas. Com isso, garante o sustento da pequena. Mas os olhos de Joaquina têm a profundidade de quem acredita demais, uma determinação inquietante. Algo que Antônia só viu nos olhos do homem que amava, mas com quem não pôde contar. A filha não sabe da luta do pai com os inconfidentes. Mas ainda criança aprende com ele uma das principais lições da sua vida: todos os homens e mulheres são livres. Uma vez ou outra, ele aparece às escondidas e ensina à filha um pouco sobre as suas crenças. Ensinamentos que Joaquina jamais esquece.

Como principal nome da Inconfidência, Tiradentes (Thiago Lacerda) quer livrar o Brasil dos mandos e desmandos de Portugal, custe o que custar. Os encontros dos rebeldes acontecem no cabaré de Virginia (Lilia Cabral), que também participa do movimento. Num desses encontros, o companheiro de luta José Maria Rubião (Mateus Solano) alerta o Alferes: a Coroa portuguesa mandou acabar com a conjuração. Todos correm risco de vida. O amigo sugere então que Tiradentes vá embora para o Rio de Janeiro ou para São Paulo. Mas é tarde demais... Enquanto se divertem com as belas mulheres do cabaré, o Capitão Tolentino (Ricardo Pereira) invade o local. Tiradentes e Rubião são presos.

Ao ser levado para depor, Rubião é colocado à prova. Tolentino precisa de um nome: “Quem é o líder do movimento?”. Ele faz o necessário para arrancar do homem uma confirmação e consegue. Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes, é então condenado por traição. E ficam, para todos os rebeldes, as perguntas: como os soldados da Coroa chegaram ao cabaré tão rápido? Como sabiam que os rebeldes estavam lá? A ação de Portugal teve apoio de alguém do movimento?

Joaquina (Mel Maia) e Antônia (Leticia Sabatella) vêem, na estrada, Tiradentes e Rubião numa carroça, rodeados por soldados e tenentes. A menina percebe a preocupação da mãe. Mais que isso, sente na alma que o pai está em perigo. As duas seguem para a casa de Diogo Farto (Genézio de Barros) – o homem pode ajudar com algumas explicações, já que é simpatizante do movimento. A mãe de Joaquina dá a notícia de que Tiradentes foi preso e pergunta o que pode acontecer com ele. Diogo responde: “A pena por traição é a morte”. A pequena, escondida atrás da porta, escuta a afirmação e desespera. Precisa encontrar o pai. Na manhã seguinte, foge sem ninguém ver. Esconde-se numa carroça e segue até ao Rio de Janeiro. Consegue entrar na cadeia do pai e Tiradentes entra em desespero – pode até morrer, mas Joaquina é a rainha da sua vida, o seu maior amor, nada lhe pode acontecer. Sem saída, ele explica que Joaquina está em perigo e tenta acalmá-la. Quando a convence a fugir, diz “eu te amo” e ouve o mesmo da filha. Ele fica a olhar a menina a afastar-se.

Espremida entre a multidão que aguarda o enforcamento do traidor, Joaquina vê o pai. São tantas pessoas que quase a derrubam. Sente os pés saírem do chão ao ser carregada por um gigante. O homem que tenta protegê-la chama-se Raposo (Dalton Vigh), um minerador simpatizante da causa dos inconfidentes. Mas nem ele, nem ninguém pode evitar o inevitável: Joaquina testemunha a morte do próprio pai.

Rubião (Mateus Solano) acredita ter feito o correto. Apesar de saber que Tiradentes acabou morto por sua confissão, fez o necessário para salvar a própria vida. As torturas foram muitas, ninguém suportaria aquilo sem ceder. Será mesmo? Mas agora ele precisa encontrar um caminho para sobreviver e decide trocar de lado. Entrega-se aos mandos e desmandos de Portugal e promete fidelidade à Coroa. O capitão Tolentino (Ricardo Pereira) só observa, do alto do seu poder.

Sem perder tempo, Rubião segue para a casa de Antônia (Leticia Sabatella). Há algum tempo, deixou lá um saco de moedas de ouro para ser entregue a Tiradentes. Se o homem está morto, não precisa mais das moedas. Mas ao chegar lá e cobrar a quantia, descobre que o valor sumiu. Sem acreditar em Antônia, insiste na cobrança até que, no meio da discussão, acaba por assassinar a mulher.

Raposo (Dalton Vigh) entra sozinho na pequena casa e vê Antônia a agonizar. Nos seus últimos suspiros, ela pede que o homem cuide de Joaquina (Mel Maia). Mas a verdade é que Raposo foi lá à procura de Joaquina. Assim que Tiradentes foi enforcado, a confusão aumentou e o bando de assaltantes, liderado por Mão de Luva (Marco Ricca), esfaqueou o mineiro e sequestrou a menina. Afinal, o peso em ouro da filha de Tiradentes valia muitas e muitas moedas.

Ao sair da casa de Antônia, Raposo consegue resgatar Joaquina do poder do bando do Mão de Luva. Com a ajuda de Virgínia (Lilia Cabral), organizam um plano para que ele e Joaquina fujam para Portugal. A estratégia é realizada com sucesso. Já no barco a caminho de terras portuguesas, Raposo tem que responder à dolorosa pergunta de Joaquina: “Onde está a minha mãe?”. Sem saída, diz a verdade e embala aquela corajosa menina nos braços, sabendo que agora ela é sua filha.

Lisboa, Portugal, 1807

En garde!”, diz Rosa (Andreia Horta) para Raposo (Dalton Vigh). "Você luta como uma menina", grita ela para o pai. Rosa provoca-o o tempo todo durante o treino de esgrima, para alegria de Raposo. O homem morre de orgulho. Criou aquela corajosa criança, agora uma impetuosa mulher. Raposo abandonou as lutas do movimento inconfidente após muitas tragédias. Sua prioridade é ter a filha a salvo. Para despistar qualquer suspeita, criou Joaquina sob o nome de Rosa. Hoje, deve tudo o que tem à Coroa portuguesa. Tornou-se um importante fidalgo pelas riquezas que adquiriu ao longo dos anos.

O treino é interrompido quando André (Caio Blat), filho de Raposo, entra no salão e anuncia: a corte está fugindo das investidas de Napoleão e embarcando para o Rio de Janeiro. Raposo sabe que precisa acompanhá-los. É hora de voltar ao Brasil! Eles correm para separar os documentos e os bens mais importantes. O resto é deixado para trás. Raposo garante a Rosa que ela não deve temer o regresso ao Brasil. Mas, na verdade, preocupa-se com o fato da jovem não temer nada. Mesmo depois de tantos anos, Rosa/Joaquina (Andreia Horta) guarda a mesma bravura e o olhar destemido que já tinha na infância.

Antes de embarcar numa viagem de mais de dois meses até a Colónia, Raposo reúne Rosa, André e Bertoleza (Sheron Menezes), negra alforriada criada por Raposo como filha, para explicar como devem ser os passos da família a partir de agora. Enfrentarão dificuldades no alto-mar, faltará conforto, às vezes até comida. Porém, eles têm o mais importante: estão juntos. A família parte, então, em direção ao Brasil.

Rio de Janeiro, Brasil, 1808

O choque ao chegar ao cais é imediato. A decadência do local salta aos olhos. O suor dos homens e mulheres brancas com as vestes que imitam os europeus, apesar do calor escaldante; as marcas na pele dos escravos que circulam de um lado para o outro; o cheiro de esgoto a céu aberto; o trabalho dos comerciantes que descarregam mercadorias... Rosa percebe os olhares para Bertoleza (Sheron Menezes), alguns até a confundem com uma escrava e Rosa a protege.

Rosa (Andreia Horta) está de volta ao seu país, de volta à terra onde o seu pai foi morto. Faz tanto tempo que saiu dali... Tantos anos se passaram. Conheceu uma realidade diferente, o luxo e a nobreza. Agora volta à triste realidade da Colónia.

Mesmo cansados e abatidos da viagem, começam o caminho para Vila Rica. Na estrada, Rosa e Raposo reencontram velhos conhecidos: Mão de Luva (Marco Ricca) e o bando de assaltantes. Caju (Gabriel Palhares), o mais jovem integrante do grupo, é ágil e esperto. Ele esconde-se nas árvores, ao longo da estrada, entre os galhos, para ver a movimentação e alertar o líder. Mão de Luva aborda o grupo e Raposo confronta o bandido, enquanto os filhos estão dentro da carruagem.

Simão (Nikolas Antunes), braço-direito de Mão de Luva, reconhece o homem que há muitos anos passava por aquela estrada com a filha de Tiradentes. Sabendo do que Raposo é capaz, os homens cercam-no. Ao ver que o pai está sem saída, Rosa desce da carruagem e entra na discussão. Os homens não conseguem tirar os olhos dela, encantam-se pela beleza e atitude da fidalga. Mão de Luva reconhece-a. Apesar de negarem a identidade real de Rosa, ele sabe que ela é Joaquina, a filha de Tiradentes. A família consegue escapar, mas teme pelos próximos dias e pelo que o bando e o seu líder são capazes de fazer com a filha do traidor da Coroa.

Vila Rica, Capitania de Minas Gerais,1808

Raposo (Dalton Vigh), Bertoleza (Sheron Menezes), André (Caio Blat) e Rosa (Andreia Horta) finalmente chegam à segunda maior cidade do Brasil, Vila Rica. Mas se a viagem foi confusa e cansativa, a situação deles na chegada não melhora. A carruagem onde se encontram parte-se ao tentar desviar-se de uma liteira. Como ainda faltam alguns quilómetros até à quinta de Raposo, precisam consertar o veículo. Mesmo morando em Portugal, o mineiro manteve a quinta e a irmã Dionísia (Maitê Proença) cuidando da casa e das terras com rigidez.

Xavier (Bruno Ferrari) vê o acidente e corre para ajudar. O jovem consegue retirar Bertoleza, André e Rosa de dentro da carruagem e checa se alguém está ferido. Porém o que realmente chama a sua atenção é a beleza de Rosa. Talvez nunca tenha visto uma mulher com aparência tão feminina e tão forte. É imediatamente atraído por ela. Xavier acabara de chegar a Vila Rica, após passar seis anos a estudar medicina em Portugal. Mal teve tempo de rever os pais e de reencontrar a noiva Branca (Nathalia Dill), que o espera há tantos anos.

A liteira que provocou o acidente carrega Branca. Mesmo no meio da discussão com Raposo, ela esquece todo o ocorrido quando os seus olhos encontram os de Xavier, o homem a quem foi prometida em casamento há seis anos. Agora, ele está de volta. Mas Branca percebe que Xavier mantém seu olhar dividido entre ela e Rosa.

Impossibilitados de chegarem até à terra do Raposo por conta do acidente, Raposo, André, Bertoleza e Rosa são recebidos na casa do Intendente Rubião (Mateus Solano). Rubião não consegue esconder os olhares furtivos para Joaquina, sem reconhecer a filha de Tiradentes naquela linda mulher.

Na mesa de jantar, as impressões de Rosa sobre o Brasil tiram Raposo do sério. Se ela quer alarmar o Intendente, está no caminho certo! A moça fala dos maus tratos sofridos pela população, dos abusos da corte e aposta que um dia o povo revoltar-se-á. Rubião alerta-os: o último movimento que falou sobre revolução teve o seu principal conspirador enforcado. Joaquina paralisa, engole em seco e finalmente fica em silêncio. Depois, tem que ouvir os gritos de Raposo, exasperado, sobre os riscos que ela corre. Ele teme pela vida da menina que aprendeu a amar. Rubião (Mateus Solano) percebe que ela tem opiniões fortes, poderia até ser uma revolucionária... Mas é muito cedo para julgar. De qualquer forma, está definitivamente impressionado com aquela que acredita ser filha de Raposo.

Abalada pela discussão, Rosa foge pelas ruas de Vila Rica, consciente do perigo do lugar. Precisa respirar. Na sua caminhada, depara-se com um homem que apanha de outros três. Sem pensar duas vezes, saca uma arma e aponta para a cabeça do principal agressor. Consegue afastar os arruaceiros e ajudar... Xavier. Saindo da Taverna, depois de alguns vinhos a mais, o médico entrou numa briga. Xavier é conhecido na cidade pela sua fama de boémio mas é um homem justo, que luta pela liberdade e igualdade entre os homens. É um rebelde, um dos importantes membros da causa, com ideais inspirados no movimento dos Inconfidentes. Xavier esforça-se para ver quem o salvou, mas Rosa esconde-se sob a sua capa.

No caminho de volta para a casa de Rubião, Rosa encontra alguns Dragões de Minas, militares que trabalham para garantir os interesses e valores da Coroa portuguesa. Foram enviados por Rubião a pedido de Raposo, que desesperado procura a filha. Rosa mal chega ao Brasil e já se envolve em diversas situações de risco, o que preocupa Raposo. Já em casa, segura, ela tem dificuldade para dormir. Os pesadelos de tudo que viveu no Brasil quando criança ainda a perseguem. Na varanda, Rubião pede que ela tome cuidado. Agora que a encontrou, não quer perdê-la. Ela sorri com o galanteio. A moça também se encanta com o Intendente. Começa ali um sentimento improvável entre o traidor de Tiradentes e a filha do Alferes.

No dia seguinte, a família finalmente chega à quintae reencontra Dionísia (Maitê Proença). Ela exala felicidade ao rever os sobrinhos e o irmão, apesar de Raposo não corresponder com palavras de afeto – Dionísia conhece o jeito seco do irmão e não se abala. O clima de boa convivência logo acaba quando Rosa vê os escravos sendo castigados por Malveiro (Bruce Gomlevsky) a mando de Dionísia.

Rosa nunca imaginou que fosse testemunhar a maior das selvagerias – e na propriedade da família. Ela discute com a tia e pede que liberte os escravos do castigo. Para todos, Dionísia é uma mulher elegante e de bons valores, precisa manter a imagem – e isso inclui o respeito dos negros que possui. Ter a sobrinha dando ordens contrárias às dela não é bom.

Raposo (Dalton Vigh) defende a irmã e ordena que Rosa (Andreia Horta) peça desculpa, para surpresa da filha, que se dececiona com a atitude do pai. Sabe que ele se aliou à Coroa e se tornou um monarquista para protegê-la, mas não imagina que ele apoie atitudes como aquela, encarando seres humanos como objetos, propriedades, e não almas individuais, com sonhos, desejos e sangue correndo nas veias. Rosa não tem opção, precisa respeitar a tia, o pai, os costumes da terra.

Certo dia, caminhando por Vila Rica, Rosa esbarra em Virginia (Lilia Cabral), que percebe no olhar daquela imponente mulher o mesmo olhar da corajosa menina Joaquina. A dona do cabaré da cidade entretém os homens com as suas jovens – entre elas Mimi (Yanna Lavigne), Vidinha (Yasmin Gomlevsky) e Gironda (Hanna Romanazzi) – e esconde ali um ponto de encontro dos rebeldes. Com a morte de Tiradentes, Virginia torna-se um dos principais nomes da causa. Ao reencontrar Joaquina, ela retoma a esperança da luta. Sabe que naquela mulher corre o mesmo sangue do homem que sonhava com a liberdade do Brasil e com a igualdade do povo. Virginia precisa trazer Joaquina para o movimento. Precisa contar com a força daquela mulher para a revolução.

Virginia está certa. Joaquina vai revolucionar o Brasil. Mas não só. Joaquina fará uma revolução em si mesma.

nas redes

pesquisar