SIC

Perfil

36º Episódio - 17 de outubro (sábado)

César dá um tiro a Henrique e faz Joana e Duarte reféns!

Célia e Zé desdobram-se com muito trabalho na clínica e não reparam que César, marido da paciente que morreu, está impaciente para falar com Henrique. O homem esgueira-se pelos corredores e vai perguntando onde pode encontrar o médico.

Duarte encontra Joana quando se dirige à clínica para falar com Henrique e convida-a para jantar. Ela aceita com a condição de que seja no terraço da casa dele.

Isabel fica desesperada quando Patrícia lhe diz com grande insistência que quer sair da clínica. Impotente para contrariar a desilusão da filha, aceita falar com o médico sobre o assunto.

Duarte discute com Henrique e assume que o quer fora da clínica, depois de ele ter manipulado os resultados do ensaio clínico enganando William e de ter chantageado Benedita para que ela guardasse segredo. Duarte acusa o irmão de ter desviado dinheiro em proveito próprio, enquanto ele afirma que nenhum deles tem capacidade para gerir o negócio. Duarte fecha a conversa garantindo que vai encontrar com as irmãs um gestor externo para administrar a empresa.

Miguel regressa a casa e encontra Francisca sentada no sofá. De imediato, começa a troçar da mulher, convicto de que ela desistiu da ideia de se divorciar. Ao contrário, Francisca reafirma o desejo de o deixar. Miguel irrita-se e dispara que se ela quer sair de casa que o faça de uma vez. Se não, quando acabar com a birra, ele estará no escritório. Francisca continua a tentar ligar a Sara para desmarcar a consulta mas a psicóloga não atende o telefone.

Beatriz constata a tristeza de Pedro por causa da saúde de Patrícia e insiste com o filho para que não se envolva demasiado com ela para não sofrer um desgosto.

Henrique fica desagradado por encontrar Joana no laboratório, apesar de ele explicar que só ali foi para recolher as suas coisas. A conversa começa a azedar quando Inácio interrompe e anuncia a presença de um homem que deseja falar com ele. César não perde tempo e avança para Henrique, exigindo-lhe que assuma publicamente que foi o novo medicamento que fez provocou a morte da sua mulher. Henrique prepara-se para expulsar César da clínica mas ele aponta-lhe uma pistola, garantindo que vai obriga-lo a fazer a declaração da sua culpa. Os investigadores ficam alarmados e muito tensos com a situação.

Dina comenta na recepção com Célia que se cruzou com um homem que estava à procura de Henrique e a recepcionista, sem adivinhar o drama que se desenrola no laboratório, conta com pena que se trata do marido da paciente que morreu.

Entretanto, de arma na mão e cada vez mais impaciente, César insiste com Henrique para que declare publicamente a sua culpa pela morte da mulher dele. O médico recusa e César explode de fúria, assustando uma investigadora que parte um frasco que cai ao chão. Perante a desatenção momentânea do sequestrador Henrique tenta fugir mas é atingido a tiro, caindo inanimado no chão. Apesar de Inácio dizer que Henrique precisa de assistência imediata, César expulsa toda a gente do laboratório, menos Joana que também fica refém.

Na recepção, Célia afirma que lhe pareceu ouvir um tiro e Duarte manda-a chamar a polícia, precipitando-se para o corredor, depois de se certificar que Pedro já foi para casa com a mãe. Entretanto, cruza-se com Inácio que, muito perturbado, conta que Henrique foi baleado e que está no laboratório a precisar de assistência, acrescentando que Joana foi feita refém. Duarte enche-se de coragem e grita para César que vai entrar. Este aponta-lhe a arma e diz que apenas quer que ele faça uma declaração à imprensa, assumindo a responsabilidade da clínica pela morte da mulher. Em troca, Duarte consegue que Henrique seja levado para ser tratado, mas César mantém Joana sequestrada, até que as suas exigências sejam atendidas.

Em casa, Beatriz recebe a chamada da clínica a avisá-la do que se está a passar por lá e põe-se a caminho com Pedro, que insiste em acompanhá-la, preocupado com o pai.

No laboratório, César fica ainda mais impaciente porque a equipa de televisão que exigiu tarda em chegar. Duarte tenta tranquilizar Joana, que está cada vez com mais medo do que possa acontecer.

Maria chega à clínica e Catarina coloca-a a par da situação. Determinada, avança para o interior para ajudar no que for necessário.

Sofia também tenta entrar, alegando que é mulher do médico baleado. O polícia deixa-a entrar com Maria, mas Beatriz é obrigada a ficar à porta com Benedita.

O chefe de operações da PSP pede as plantas do edifício. Dina informa Sofia que Henrique está no bloco a extrair a bala e assegura-lhe que ele vai ficar bem. Entretanto, o chefe de operações fama com César pela primeira para lhe dizer que os jornalistas que pediu estão quase a chegar. Em troca pede-lhe que liberte Joana mas César irrita-se e antes de desligar o telefone com violência, diz que do laboratório não sai ninguém até que as suas exigências sejam satisfeitas.

Benedita conversa com Zé e pergunta-lhe se ele viu o sequestrador. O rapaz vai respondendo às perguntas quase como um autómato e recusa ir para casa enquanto o seu horário não estiver cumprido.

Sara, Filipe e Vasco também acorrem à clínica, temendo pelo que pode acontecer a Joana. A psicóloga faz menção de pedir para entrar na clínica mas Filipe impede-a.

César recebe mais um telefonema da polícia e diz a Duarte para começar a pensar no que vai dizer, porque os jornalistas acabaram de chegar.

Entretanto, o chefe de operações dá as últimas instruções a dois agentes que estão à paisana e que vão surgir perante César como os jornalistas que ele solicitou.

O sequestrador deixa entrar no laboratório a suposta equipa de televisão e um dos agentes disfarçados pede-lhe que faça uma declaração, explicando as razões que o levaram a tomar uma atitude tão extrema. César ainda fica desconfiado mas acaba por falar para a câmara. À medida que fala da morte da mulher enerva-se e dá um murro na bancada, levando a que Joana solte um grito. O homem distrai-se e os agentes caiem sobre ele para o imobilizar, enquanto Duarte o desarma.

Beatriz, egoísta como sempre, mostra-se desagradada com o facto de Joana estar sempre em todas as situações que envolvem Duarte. Benedita repreende-a por só pensar em si e Teresa lembra-lhe que Duarte está em perigo. Entretanto, Inácio detecta movimentações no interior da clínica e todos olham com expectativa para a porta de onde sai César, que é levado pela polícia. Maria vem logo atrás aliviada e junta-se a Catarina. Filipe, Sara e Vasco vão abraçar Joana. Duarte recebe o abraço de Pedro e é obrigado a aceitar o de Beatriz que se atira a ele para provocar Joana.

Francisca, entra na sala com duas malas de viagem na mão e anuncia a Miguel que se vai embora. O marido reage com ironia, sem acreditar que ela vai mesmo avançar para o divórcio. Francisca não disfarça a mágoa nem as lágrimas que lhe inundam os olhos mas mantém a sua dignidade e pega nas malas e sai.

Sandra ouve Jorge encomendar ao telefone uma roupa com lantejoulas e ainda mais se convence de que ele é travesti quando ele pede algo que não encandeie o publico quando ele estiver no palco. Depois de perceber que ela ouviu tudo e que insinua ter-lhe ficado com o vestido desaparecido, Jorge desvia a conversa para a notícia do sequestro na clínica.

Fernanda e Vítor ficam entusiasmados com o convite de Bruno para irem à festa de inauguração do novo barco que Filipe comprou para os cruzeiros no Douro. Ruben só pensa nas miúdas que vai poder conhecer, enquanto Jéssica se rende aos elogios de Bruno que diz só ter olhos para ela. Vítor ambiciona ter uma festa igual quando deixar de jogar futebol mas Fernanda lembra-lhe que com o dinheiro que anda a ganhar nem um barco a remos compra. O marido assegura que com o que tem para receber, chega e sobra.

Catarina comenta o sequestro na clínica e assume que lhe soube bem ver Henrique a sofrer. Maria indigna-se com a insensibilidade dela e sobretudo por não esboçar qualquer arrependimento por ter matado António. Catarina responde que decididamente não são parecidas, enfatizando que António morreria mais tarde ou mais cedo.

Filipe e Sara insistem com Joana para que passe a noite com um deles mas ela prefere ficar sozinha. Durante a conversa com os pais, Joana acaba por deixar a nu que gosta de Duarte.

Henrique desperta da anestesia e tem Sofia a acompanhá-lo. A mulher tranquiliza-o garantindo que César não conseguiu acusá-lo publicamente pela morte da mulher e justifica a ausência de Inês por não ter tido coragem de a avisar, agora que está no cruzeiro a reconciliar-se com João.

Benedita conversa com Teresa em casa desta enquanto tomam um chá, confessando a sua mágoa por William não lhe ter dito mais nada desde que chegou à Alemanha. A irmã sublinha que ele precisa de tempo para recuperar do choque que as revelações sobre a vida dela lhe trouxeram. Benedita vai para casa triste e desanimada.

Duarte vai a casa de Joana para saber como é que ela se encontra, depois do susto que ambos apanharam com o sequestro de que foram vítimas na clínica. Impotentes para resistirem aos seus sentimentos, Duarte e Joana entregam-se ao desejo, envolvendo-se pela primeira vez.

Beatriz não contém a irritação por não ter resposta de Duarte às suas chamadas e verbaliza a sua indignação a Pedro pelo facto de o pai ter arriscado a vida na clínica por um mulher que não lhe é nada. O filho enche-se de paciência e aconselha-a a deixar o pai viver a sua vida e a arranjar um namorado para seguir com a sua.

Sofia confessa a Assunção que viveu um grande aflição na clínica por causa do ataque que Henrique sofreu mas suspira de alívio por tudo ter acabado em bem. A mãe mostra desagrado por ninguém lhe ter dito nada mas rapidamente muda de assunto para contar que conheceu Maria no restaurante e que ela lhe pareceu uma pessoa bastante simples e simpática. Sofia dispara que essa é a imagem que ela quer fazer passar.

Maria fica satisfeita por Luís lhe telefonar para saber se está tudo bem com ela, depois do incidente na clínica. Ela confirma que nunca pensou passar por coisa semelhante e o amigo conta que Leandro estava aflito, temendo que algo acontecesse a Catarina.

Na quinta, Catarina conversa com Leandro e faz-lhe ver que qualquer dia ainda tem problemas no restaurante e que lhe podia perfeitamente ter telefonado em vez de a ter ido ver. Ele diz que precisava de estar com ela, arrancando-lhe um sorriso, que rapidamente se transforma numa expressão de raiva, assim que vê uma foto de João abraçado a Inês, no Douro. Leandro acha que ela ainda gosta do rapaz mas Catarina nega e acaba por beijá-lo. Leandro fica entusiasmado mas disfarça a desilusão quando Catarina diz que o melhor é ficarem apenas amigos, justamente para não estragarem essa amizade.

Vítor pensa na roupa que vai levar para o cruzeiro no Douro mas Ruben troça das suas ideias. Bruno, mais tolerante, diz que ele pode ir vestido como quiser, mas Ruben decide contar um episódio em que Vítor se ia afogando por não saber nadar. Bruno diverte-se com a história e aconselha-o a vestir o colete salva-vidas quando estiver a bordo.

Duarte e Joana despertam da sua primeira noite de amor com a consciência de que estão apaixonados e preparam-se para tomar o pequeno-almoço num ambiente de grande cumplicidade.

Beatriz tenta esconder de Pedro a notificação do tribunal para comparecer nesse mesmo dia à audiência por causa do divórcio mas o filho não se deixa enganar e avisa-a de que se faltar, vai irritar o pai ainda mais.

Rita e Thomas mostram o seu desagrado a Teresa por não os terem avisado do incidente na clínica e reforçam que não vale a pena esconderem-lhes a verdade porque seguiram tudo através da internet.

Catarina entra no quarto de Henrique na clínica para o provocar. Ele reage com cinismo quando ela faz votos para que não lhe aconteça mais nada de mal, pois já tem em mãos mais um processo por causa de um doente que apanhou uma infecção no bloco operatório.

João e Inês terminam com grande pena o cruzeiro idílico que fizeram no Douro. Ele prepara-se agora para apoiar a mãe no processo de divórcio.

nas redes

pesquisar